O Ocidente se vende à Sharia

Neste artigo, a ex-muçulmana Wafa Sultan explica como as pessoas do ocidente, que de uma maneira muito covarde, estão facilitando a islamização de sua própria cultura.

Texto de Wafa Sultan. Tradução de khadija kafir (04-11-2015). Link para o original.

Não cabe dúvidas de que a liberdade de expressão, a base sobre a qual se constrói a civilização e a democracia, sofre um perigoso ataque em muitos países ocidentais por parte de uma série de organizações líderes e indivíduos que se alinham com as instituições muçulmanas. Todos promovem a fantasia da condição de vítima do povo muçulmano, ignorando suas atrocidades e cedendo a exigências cada vez maiores.

Os muçulmanos em todo o mundo impõem aos não muçulmanos a obrigação de aceitar e de tirar importância de forma deliberada o alcance e a magnitude da ameaça islâmica que a guerra santa ou jihad representa para o tratamento que recebe a mulher no Islã. Tal e como está aprovado pelos ditames da Sharia, os muçulmanos também impedem que os não muçulmanos expressem opiniões críticas contra o Islã.

Como é que conseguem? Acusam qualquer um que faça uma análise sólida dos textos islâmicos de ser um intolerante, uma pessoa cheia de ódio ou diretamente o qualificam de ser um “islamofóbico”. Estar em desacordo dá lugar a julgamentos por “delitos de ódio” não tipificado de maneira clara, assim como a ameaça de distúrbios, violência e boicote. No pior dos casos, os muçulmanos assassinam aos não muçulmanos junto com aqueles muçulmanos valentes que se atrevem a desafiar o controle mental e a supressão.

Faz apenas alguns dias, o corajoso Lars Hedegaard foi condenado pelo que se considera um “crime de ódio” devido a umas declarações julgadas como “racistas”. No entanto, o senhor Hedegaard dizia a verdade. Queria que o público fosse consciente de como a violência islâmica pela “honra” está generalizada, são os casos em que se pede aos membros da família que matem a mulher para assim recuperar a honra dessa família. A família sempre é declarada culpada, enquanto que isso não sucede com o estuprador. O mesmo acontece com os supostos casos de adultério, inclusive quando há provas mais além da “percepção” dos juizes, que podem considerar culpável a mulher, como aconteceu com Hena em Bangladesh, que foi sentenciada a receber 300 chicotadas e que morreu durante o castigo.

Durante os trinta e dois anos que vivi na Síria, presenciei em primeira pessoa incontáveis atos de excessiva violência e crueldade. Como médica ativa na Síria, vi e tratei infinitas mulheres vítimas de abusos, qua haviam recebido surras brutais ou que haviam sido estupradas com a aprovação tácita da Sharia e a defesa da “honra” da família. Essas mulheres que tratei são o mesmo tipo de vítima da violência por honra a que se referia o senhor Hedegaard e pelo que foi condenado pelas pessoas que deveriam estar defendendo os mesmos valores que todos valorizamos no Ocidente.

Não obstante, ao suprimir a liberdade para expor as atrocidades e a crueldade que sofrem as mulheres muçulmanas, o ocidente enfraquece a sua posição como grupo de cidadãos respeitados e valorizados. É o que quer conseguir os líderes dos governos? Por acaso as mulheres muçulmanas que sofrem de forma terrível sob a lei Sharia, inclusive no Ocidente, não são merecedoras da proteção dos ditos governos?

Como médica, me preocupa o esforço coordenado por parte dos islamistas e seus cúmplices no Ocidente para desestabilizar o direito básico à livre expressão e exposição daquilo que há para corrigir. O horrendo ataque do 11 de setembro deixou claro que não existe um só lugar no planeta imune ao extremismo islâmico. Minha história pessoal pode se aplicar a qualquer um, como por exemplo, o professor de oftalmologia que tive na faculdade de medicina na Síria, que foi assassinado por disparos diante de nós porque ensinava também as mulheres.

Enquanto existam em nossa sociedade muçulmanos que promovam a lei Sharia islâmica e que trabalhem sem descanso para aplicá-la, em nossas sociedades livres, teremos que nos informar, nos mantermos vigilantes e ativos na hora de defender nossas liberdades. É um problema que deveria nos preocupar a todo e ao que deveríamos prestar muita atenção.

Não estou aqui para animar ninguém contra os muçulmanos. Por favor, devem compreender que os muçulmanos são meu povo e não poderiam mudar o fato de que nasci em um país muçulmano e em uma cultura islâmica. O motivo pelo qual vim aqui é para desmascarar o verdadeiro rosto do Islã e mostrar que é uma ideologia intolerante e detestável, incluindo o modo com que tratam as mulheres.

Osama bin Laden já está morto, mas a terrível e intolerante lei Sharia que ele praticava com devoção continua existindo e prospera. A vida de bin Laden e os horríveis atos que cometeu são uma prova clara de que os islâmicos são vítimas de um dogma insuportável que lhes afasta do sentido comum inerente à pessoa e lhes transforma em bestas humanas.

Desde uma idade muito tenra fazem uma lavagem cerebral neles para que acreditem que o Islã tem a obrigação de controlar todo o mundo e que sua missão na Terra é lutar para conseguir este objetivo. Por isso, os fins justificam os meios: humilhar, torturar ou assassinar outras pessoas é uma missão divina.

Lara Logan, a jornalista da CBS cobriu a recente revolução no Egito, rompeu o muro do silêncio em um programa chamado 60 minutos, ao tratar da violência sexual a que foi submetida por ser mulher e jornalista estrangeira. Tal como ela explicou, a multidão de egípcios que lhes atacou “realmente desfrutou ao ver minha dor e sofrimento. Isso os instigou a cometer mais atos violentos”.

Para muitos ocidentais este é um relato do tratamento chocante e do constante assédio que recebem tanto as mulheres estrangeiras como as nascidas no Egito. Esta prática persiste graças ao ensinamento dado aos muçulmanos para serem hostis contra a mulher e humilhá-la. Como se isso fosse pouco, os muçulmanos consideram que tão somente a vítima é culpada, posto que, ao que lhes parece, a vítima não cumpre por inteiro as restrições islâmicas em relação à roupa e o comportamento e, por isso “seduz” aos homens. Por azar, em sua entrevista, Logan acabou se submetendo ao politicamente correto e evitou usar as palavras “muçulmano” ou “Islã” em relação com a temível experiência de perseguição sexual que havia vivido.

Permitam-me que compartilhem com os senhores algumas histórias pessoais. Estes são relatos que tão somente confirmam o deplorável episódio que experimentou Lara Logan e demonstram que o abuso contra a mulher é a ordem do dia no mundo muçulmano. Minha própria sobrinha foi obrigada a se casar com seu primo quando tinha 11 anos e ele tinha mais de quarenta. O matrimônio era válido de acordo com a lei Sharia porque o profeta Maomé se casou com sua segunda mulher, Aisha, quando ela tinha seis anos e ele mais de cinquenta. Minha sobrinha sofreu durante muitos anos abusos espantosos e não tinha direito a pedir o divórcio. Ela escapava da casa de seu marido e fugia para a casa de seu pai, onde suplicava: “por favor, deixe-me que fique aqui. Prometo ser sua criada até o último dia de vida. Ele é tão agressivo, não posso suportar esta tortura mais tempo”. Seu pai respondia: “é uma vergonha que uma mulher abandone a casa de seu marido sem permissão. Volte e eu prometo que falarei com ele”. Aos 28 anos, minha sobrinha se suicidou atando fogo em si mesma e deixou quatro filhos.

Quando trabalhava como médica na Síria, presenciei muitos delitos que se cometiam na minha sociedade em nome do Islã. Em uma ocasião, enquanto trabalhava em um povoado pequeno, uma mulher que beirava quase os quarenta anos veio em minha consulta se queixando de náuseas, vômitos e dor nas costas. Ao examiná-la, vi que estava grávida de três meses. Enquanto eu lhe dava a notícia, caiu da cadeira, começou a gritar e a dar tapas no rosto. “Eu suplico que me resgate do desastre em que me encontro. Meu filho vai me matar. Não importa a minha vida, mereço morrer, mas não quero que meu filho manche as mãos com meu sangue”.

— Qual é o problema, Fátima? —perguntei.

—Meu marido morreu faz cinco anos e me deixou sozinha com quatro filhos. Seu irmão me viola cada dia em troca de comida para os filhos. Se ele souber que estou grávida, mandará meu filho de quinze anos me matar para evitar a humilhação pública.

Eu a mandei para a consulta a um ginecologista. Quando voltou duas semanas mais tarde, estava emagrecida, abatida e doente. “Eu voltei para agradecer”, disse ela. “Mas fizeram a intervenção para tirar o feto sem anestesia. Eu não tinha dinheiro suficiente para pagar os sedativos, assim o médico procedeu sem eles. A dor era insuportável, quase morro”.

Em relação a minha própria história, meu marido partiu para os Estados Unidos um ano antes. Quando solicitei os passaportes para meus filhos, o funcionário de turno se negou a me dar porque de acordo com a lei Sharia islâmica, eu não tinha capacidade mental para ser a tutora legal dos meus filhos. Assim, portanto, me pediram que trouxesse um dos homens da família de meu marido para obter seus passaportes.

Nenhum dos homens da família de meu marido vivia em nossa cidade exceto um de seus primos. Era um alcoólatra e devido a seu mal caráter, meu marido nunca havia desejado que eu o conhecesse. Para resumir, direi que fui a sua casa e lhe subornei com cinquenta libras sírias, que equivalem a um dólar. Ao sair do edifício de imigração não pude pensar nas coisas absurdas que nós mulheres muçulmanas enfrentamos. Apesar de ser médica, não tinha capacidade mental suficiente para ser tutora de meus filhos, mas um bêbado podia controlar todo o meu destino.

É óbvio que os ensinamentos da minha fé não coincidem com meus direitos básicos e, claro, que não me respeitam como profissional. Por exemplo, sob a lei islâmica Sharia, os homens muçulmanos têm controle absoluto sobre as mulheres da sua família. Um pai pode casar sua filha com qualquer idade e com o homem que quiser, sem o consentimento dela.

O que é mais dramático é que essas histórias que compartilho com os senhores não são eventos isolados. Servem de amostra as trágicas vivências de milhões de mulheres muçulmanas em todo o mundo, inclusive das que vivem aqui na Europa e na América do Norte. Diariamente, se produzem incontáveis casos de violência doméstica nos que a vítima é a mulher muçulmana: estupros, assassinatos por honra que costumam ser ignorados por aqueles que se chamam “progressistas”, que asseguram ser defensores dos direitos humanos.

Muitos desde as instâncias do poder perseguem através dos tribunais os valentes que se atrevem a alçar a voz e mostrar a deprimente realidade da violência exercida contra a mulher muçulmana e a dura realidade em geral da lei Sharia. Muitos proíbem a nossa sociedade de rotular a discriminação do Islã e o maltrato a mulher. Obviamente, somos testemunhas agora, sobretudo na Europa, da gravidade das consequências para aqueles que se atreveram a falar.

Consequentemente, permita-me que lance um desafio aos que se encontrem do lado equivocado da história: como é possível que uma mulher muçulmana crie um filho para pensar de maneira justa quando ela mesma está oprimida? Sem dúvidas, um filho que ao crescer veja que todos tratam sua mãe sem respeito, que está marginalizada e maltratada, o mais seguro é que acabe com uma visão distorcida, assumindo que esse tipo de comportamento é permitido e é o normal, de modo que será capaz de realizar atos de crueldade similares aos que sofreu Lara Logan nas mãos da multidão. Acaso este é um dilema que afeta as relações entre Ocidente e o mundo muçulmano?

Lamentavelmente, os muçulmanos e seus facilitadores seguirão desafiando os que não estão de acordo. Temos que tomar uma decisão. Podemos continuar cedendo ou podemos convencer as pessoas para que se unam a nossa causa se deixamos claro que protegeremos nossas liberdades e patrimônios custe o que custar.

No mês passado no programa de televisão Real Time que é apresentado e dirigido por Bill Maher, comediante americano, ele disse: “o Islã é a única religião que te mata quando não está de acordo com sua doutrina. Eles afirmam: “olhem, somos uma religião de paz… e se não estiver de acordo cortaremos sua cabeça”. Maher previu que haveria poucos que se atreveriam a criticá-los”.

Somos um desses poucos que os criticamos. Aqui estamos com a percepção nítida e a convicção para identificar, denunciar e, oxalá, marginalizar aos inimigos do mundo livre. Estamos aqui para impedir a destruição de nossos valores pelas mãos daqueles que aspiram a nos escravizar sob o duro e intolerável julgo da lei chamada Sharia.

Quando uma mulher que vive governada pela Sharia do Islã emigra a um país livre do Ocidente, pode iniciar um caminho de transformação completa, tal e qual foi o meu caso. Agora que sou livre, não tenho que permitir que nenhuma autoridade política ou religiosa viole meus direitos. Nos Estados Unidos sou uma pessoa igual a todas as demais.

Mas como podemos esperar que o resto das mulheres muçulmanas nas diferentes partes do mundo livre se emancipem quando existem instituições judiciais que ajudam a suprimir sua necessidade urgente de liberdade ao castigar aos que tentam protegê-las, como aconteceu com Lars Hedegaard, Geert Wilders, Elisabeth Sabaditsch-Wolff, Kurt Westergaard, Jesper Langballe, Ezra Levant, Rachel Ehrenfeld, Joe Kaufman e Mark Steyn, entre outros. O Ocidente demonstra indiferença com muita frequência enquanto o Islã rebaixa a sua sociedade. Hoje em dia vivemos tempos difíceis.

A partir de hoje eu não dou de mão beijada o desfrute dos meus direito e, por isso, seguirei lutando para protegê-los, não somente por mim, senão também por todas as mulheres muçulmanas. Como cidadãos do mundo livre, temos que ter a atitude moral para lutar e defender nossa liberdade ao denunciar o abuso totalitário do Islã contra as mulheres.

O inimigo conta com aliados malignos e involuntários. Estamos obrigados a chamar a atenção aos que cedem ante a doutrina opressiva do Islã, a aqueles que nos debilitam e a todos e que causam nosso declive, alguns de forma voluntária e outros sem ter dita intenção. Temos que ser conscientes de que estamos em guerra. Devemos manter com determinação inquebrantável nossa postura como elementos que neutralizam as forças do mal. Não podemos ficar no meio do caminho, deve-se detê-los a cada passo.

Não moderaremos nossas palavras. Utilizaremos o vocabulário apropriado para chamar as coisas pelo seu verdadeiro nome. Não cessaremos de pressionar até conseguir uma clareza moral, um discurso intelectual aberto com as definições precisas de nossos objetivos frente aos seus.

A partir de agora vamos cunhar uma nova palavra: “verdadeirófobos” para responder a todos aos que nos chamam “islamofóbicos”. Posto que seu medo irracional da verdade é um fator prejudicial para nossa sobrevivência como povos livres.

Não deveríamos ignorar a amarga realidade da doutrina Sharia do Islã. Tão somente alcançaremos uma vitória real se o fazemos com espírito de autêntico desejo de explorar com transparência e com uma busca da verdade livre do medo. Uma cultura que não respeita a metade de sua população não poderá nunca prosperar e crescer. Por isso o fato de que esteja proibido qualquer intento de crítica em relação ao Islã e que a crítica seja susceptível de castigo é algo que os povos que amam a liberdade não podem ignorar e ao que deveriam se opor energicamente.

Durante os anos que vivi na Síria, chorei com frequência porque sofria. Agora sou uma mulher livre e continuo chorando por todas as outras mulheres muçulmanas no mundo. Sonho com um futuro em que as muçulmanas sejam capazes de desfrutar da liberdade. Este é um sonho que deveria ser possível para todo ser humano e é nosso trabalho tentar constantemente este objetivo.

Desafio a qualquer dos responsáveis pelo julgamento contra Lars Hedegaard a que reconsidere as terríveis consequências das absurdas alegações feitas contra ela. Não voltemos a Europa a Idade Média.

Permitamos que prevaleça a liberdade de expressão.

_______________________________________

wafa_al_jazeera2Sobre a Autora: Wafa Sultan é uma ex-muçulmana nascida na Síria e que mora hoje nos E.U.A. Formada em psiquiatria, Wafa Sultan ganhou notoriedade mundial ao aparecer na rede de televisão árabe Al-Jazeera e no YouTube expondo com coragem as barbaridades do mundo islâmico e dizendo que o mundo vive um confronto de civilizações, no qual o Islã representa a barbárie. Wafa Sultan é autora de A God Who Hates (um Deus que odeia), em que expõe a crueldade do Islã com as mulheres. Ela afirma que o ocidente pode ganhar esta luta.

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Luis Roberto disse:

    Bom dia!
    Posso publicar esse post sobre a sharia no meu perfil publico? Achei bastante esclarecedor, ainda mais vindo de quem vivenciou na pele, todo esse horror.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: